Nutrição de plantas para uma boa qualidade de proteínas nas oleaginosas

nutrição de plantas

A nutrição de plantas é um elemento considerado essencial para o desenvolvimento saudável de qualquer cultura agrícola. Para que a planta seja nutrida de maneira adequada, é preciso realizar uma boa análise do solo e se possível complementar com uma análise foliar com o objetivo de identificar quais são os nutrientes limitantes que precisam ser adicionados ao solo.

Nas oleaginosas, como a soja, a preocupação com a nutrição deve ser ainda mais cuidadosa, uma vez que apresentam taxa inicial de absorção de nutrientes bastante reduzida. Além disso, são culturas que possuem grande exigência nutricional, sobretudo até o início do enchimento dos grãos, período em que a fixação de nitrogênio e a atividade fotossintética se elevam e produzem um desenvolvimento mais acelerado.

Conhecendo as exigências nutricionais da soja

A nutrição de plantas, especialmente nas oleaginosas, têm um impacto significativo na produtividade e qualidade da colheita final. Quando ocorrem desordens nutricionais, a redução da produtividade se torna evidente, já que o crescimento e a produção ficam limitados.

Os produtores devem se atentar às necessidades nutricionais antes mesmo da semeadura. Observar sintomas característicos da falta de nutrientes quando a oleaginosa já está se desenvolvendo é um grande erro, pois a produtividade já foi comprometida pelo fenômeno conhecido como fome oculta.

O nutriente mais exigido para o desenvolvimento da soja é o nitrogênio. Para uma produção de 3.000 kg/ha, por exemplo, é necessário utilizar 246 kg de nitrogênio, que são obtidos, em pequena parte, do solo (25% a 35%) e, na maior parte, pela fixação simbiótica do nitrogênio (65% a 85%).

É importante ressaltar que quando a adubação for feita com adubo formulado, cuja fórmula possui nitrogênio e esta seja de menor custo que a mesma fórmula sem nitrogênio, pode-se utilizá-la na semeadura desde que não ultrapasse 20 kg de N/há, para não interferir no processo de fixação biológica.

Além do nitrogênio, os outros elementos mais exigidos pela soja são o potássio, o Cálcio, o enxofre e o fósforo. Sobre os micronutrientes, deve-se observar atentamente as pequenas quantidades necessárias para suprir a cultura da soja, porém sem deixar faltar nenhum deles.

É preciso ter em mente que todos os nutrientes são essenciais para atingir um alto teor de proteínas, e a falta de apenas um deles pode comprometer o desenvolvimento e rendimento dos grãos.

Nutrição de plantas: a importância da correção e manutenção da fertilidade do solo

A correção e posterior manutenção da fertilidade do solo é essencial para a nutrição adequada das oleaginosas. Conheça os métodos mais adequados para garantir os nutrientes fundamentais ao desenvolvimento da cultura:

Calagem

A calagem pela saturação por bases do solo é um método que consiste na elevação da saturação por bases trocáveis para um valor percentual que proporcione o máximo rendimento econômico do uso de calcário. Em solos arenosos e sob vegetação de cerrado,  o valor adequado de saturação é de 50% a 60%. Lembrando que é importante fazer a incorporação do calcário na maior profundidade possível.

Correção da acidez subsuperficial

A acidez subsuperficial é um problema característico dos solos brasileiros, já que a incorporação profunda do calcário nem sempre é possível, ao nível de lavoura. Mesmo com uma calagem adequada, as camadas mais profundas do solo podem continuar com quantidade significativa de alumínio tóxico.

Com o uso de gesso é possível diminuir a saturação de alumínio nessas camadas mais profunda, devendo ser utilizado em áreas onde a análise de solo, na profundidade de 30 a 50 cm, apresentar a saturação por alumínio maior que 20% e/ou quando a saturação por cálcio for menor que 40%, porem vale ressaltar que o Gesso não possui características corretivas de solo.

Adubação fosfatada

A adubação fosfatada pode ser feita de duas formas: corrigindo o solo de uma só vez, com posterior manutenção do nível de fertilidade atingido, ou por meio da correção gradativa, através de aplicações anuais no sulco de semeadura. Já a adubação de manutenção deve ser feita quando o nível de P no solo está médio ou bom. Na cultura da soja, esse nível é de 60 kg de P2 O5 /ha, para uma expectativa de produção de 3.000 kg/ha.

A recomendação para a nutrição de plantas deve ser feita com base nos resultados da análise do solo. Na tabela abaixo, você confere os valores de recomendação.

 

Adubação com micronutrientes

A deficiência de micronutrientes em solos do cerrado pode afetar a produtividade das oleaginosas. Para evitar que isso aconteça, recomenda-se sua aplicação nas seguintes dosagens:

  • Zn: 4 a 6 kg/ha;
  • B: 0,5 a 1,0 kg/ha;
  • Cu: 0,5 a 2,0 kg/ha;
  • Mn: 2,5 a 6,0 kg/ha;
  • Mo: 50 a 250 g/ha;
  • Co: 50 a 250 g/ha.

As fontes de aplicação podem ser solúveis ou insolúveis em água, contanto que a dose esteja dentro das recomendações. Para reaplicação de qualquer um desses micronutrientes, deve-se utilizar a análise foliar para conhecer as necessidades de reposição de cada nutriente. A análise foliar pode ser feita a cada dois anos.

 

A TMF possui uma tecnologia exclusiva e oferece fertilizantes capazes de corrigir, construir e manter a fertilidade do solo em todo seu perfil, além de nutrir plantas para alcançar altas produtividades e fornecer nutrientes específicos e essenciais para seu solo e para a sua lavoura. Entre em contato conosco e encontre o representante mais próximo de você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros Artigos