A cultura do café foi introduzida no Brasil no início do século XVIII. Inicialmente cultivada no Pará, a planta logo se espalhou para as demais regiões do país e começou a ganhar grande destaque na economia brasileira a partir de 1825. Hoje, a plantação de café representa uma enorme importância para o agronegócio brasileiro e está à frente das grandes exportações do país.

Há mais de 150 anos, o Brasil é o maior produtor e exportador de café, e o segundo maior consumidor, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Em Minas Gerais, o café é o principal produto da pauta de exportações do agronegócio, além de apresentar uma qualidade bastante elevada do produto final.

Assim como outras culturas, a plantação de café exige planejamento prévio e conhecimento de suas técnicas de manejo para garantir produtividade elevada aliada à qualidade dos grãos. Neste artigo, vamos apresentar as principais recomendações para o plantio de café e abordar a importância de investir em soluções inovadoras para sua plantação. Acompanhe!

 

Escolha da área para plantação do café

Em primeiro lugar, é preciso entender que o planejamento para o cultivo do café deve ser muito bem realizado a fim de evitar qualquer tipo de prejuízo material. Erros na escolha da área, no espaçamento e demais técnicas de cultivo iniciais só poderão ser corrigidos na renovação do cafezal, uma vez que as falhas cometidas refletirão por toda a vida útil da cultura.

A escolha da área é o primeiro fator a ser considerado antes de realizar a plantação de café. Isso porque a planta pode não se desenvolver de maneira satisfatória se o cultivo for feito em áreas que não favoreçam o seu completo desenvolvimento. Saiba o que é preciso levar em conta!

 

Temperatura

A plantação de café deve seguir algumas exigências climáticas para que a cultura possa se desenvolver de maneira saudável. A temperatura ideal de cultivo varia de 18ºC a 23ºC, sendo que seu desenvolvimento pode ser muito prejudicado em temperaturas acima de 30ºC.

 

Precipitação

Para permitir a exploração comercial, o regime de chuvas considerado ideal está na faixa de 1200 mm a 1500 mm anuais. É importante que a precipitação atinja, sobretudo, os períodos de desenvolvimento vegetativo e de frutificação.

 

Altitude

O café é uma planta que apresenta maior dificuldade para se desenvolver em regiões no mesmo nível do mar, sendo que a recomendação é que a plantação ocorra em áreas entre 600 m e 1200 m de altitude.

 

Umidade

Tanto a umidade alta quanto baixa podem ser prejudiciais para o desenvolvimento do café. A alta umidade favorece a incidência de pragas, doenças e fermentações indesejáveis. Já a baixa umidade favorece o aparecimento de algumas pragas e prejudica o desenvolvimento da planta.

 

Topografia

Embora cerca de 40% da plantação de café no Brasil ser realizada em áreas montanhosas, é recomendado que o plantio seja feito em regiões mais planas. Assim, é possível facilitar a mecanização, o controle de erosão e a proteção do solo, além de reduzir gastos com mão de obra.

 

Análise do solo

A grande maioria das recomendações de correção e adubação do café orientam realizar a análise do solo entre 0 e 20 cm de profundidade, e em alguns casos de 20 a 40 cm. Contudo, é preciso levar em conta que o café é uma planta perene, ou seja, passa por todas as estações do ano, sofrendo com variações climáticas anuais e interanuais.

Com as condições ideais de solo, a planta consegue aprofundar seu sistema radicular e explorar maior volume de solo em profundidade. Assim, é recomendado realizar a análise do solo pelo menos até a camada entre 40 e 60 cm, a fim de corrigir os problemas de fertilidade com maior eficácia e permitir a exploração do solo em maior profundidade.

Em relação às características do solo, este deve apresentar profundidade mínima de 1 metro e, de preferência, não ser pedregoso ou excessivamente arenoso, além de ser recomendado que apresente boa drenagem.

 

Espaçamento

O espaçamento entre as mudas de café está diretamente ligado à produtividade e longevidade da lavoura. A distância correta entre as plantas e as linhas permite reduzir custos com insumos e garantir maior qualidade do produto no momento da colheita.

As técnicas de espaçamento variaram muito ao longo dos anos. Estudos mais recentes permitiram o desenvolvimento de dois modelos que são os mais utilizados atualmente:  1,75–2,00 m x 0,5 m para renque fechado (plantio adensado) e 3,5–4,0 m x 0,5 para renque aberto (largo na rua e fechado na linha, adotada em lavouras mecanizadas).

Além disso, a evolução tecnológica permitiu criar um padrão intermediário por meio de máquinas que podem proporcionar o melhor aproveitamento do espaço. Essa nova técnica é chamada de plantio semiadensado, com espaçamento de 2,5–3,2 m x 0,5 m. A técnica exige maior frequência nas podas, mas por outro lado garante uma alta produtividade que varia de 6.300 a 8.000 plantas por hectare.

 

Irrigação

A irrigação aliada às demais técnicas que propiciam o correto desenvolvimento do café é capaz de aumentar significativamente a produtividade da plantação. Após a florada, a falta de água pode causar o abortamento das flores e prejudicar o enchimento dos grãos na época de granação, além de prejudicar as gemas florais para a próxima produção. Por isso, é preciso ficar atento ao fornecimento de água para a plantação.

O início da irrigação deve ser feito após a florada e se estender até o estresse hídrico que antecede a próxima florada, de acordo com o déficit hídrico de cada solo. A irrigação por gotejamento tem demonstrado ser a melhor técnica para as plantações de café, uma vez que evita a alta umidade relativa, bem como permite maior racionalização no uso de água e energia.

 

Fertilizantes: importantes aliados para a plantação de café

Assim como para as demais culturas, a aplicação de fertilizantes é fundamental para garantir o correto desenvolvimento do café e propiciar alta produtividade no momento da colheita. O correto uso dos fertilizantes trazem importantes benefícios para a planta, dentre eles:

Nesse sentido, a busca por soluções inovadoras para o cultivo de café se faz necessária para otimizar a colheita e permitir que o produtor tenha mais competitividade no mercado e possa aumentar sua lucratividade.

Por isto a  TMF Fertilizantes lançou o TMF Force Café, que chega ao mercado com uma característica única: a capacidade combinar, em um único grânulo, quatro nutrientes essenciais ao cultivo do café – Cálcio, Silício, Magnésio e Boro.

Assim como os demais fertilizantes da TMF voltados para outras culturas, o  TMF Force Café atua na recuperação e construção do perfil de solo, dando condições para o aumento da produtividade e com ótima razão custo x benefício.

Outra característica importante do TMF Force Café é a capacidade de proporcionar a melhora no pegamento da florada, gerando plantas vigorosas e saudáveis, homogeneidade e incremento nutricional da lavoura, por concentrar os quatro nutrientes em um único grão. Isso faz com que o produtor reduza as entradas de aplicações no cafezal, otimize tempo e mão de obra e diminua a emissão de CO2, atuando de forma mais efetiva na fertilidade do solo.

O TMF Force Café está totalmente adequado para suprir os macro secundários (neste caso o Cálcio, que é altamente exigido para o enchimento dos frutos, além de estar relacionado ao desenvolvimento das raízes, ao fortalecendo da estrutura das plantas e ao aumento de produtividade; e o Magnésio, diretamente relacionado à produtividade) e o micro (Boro, muito importante para melhorar o pegamento dos frutos e melhorar o potencial produtivo), facilitando sua aplicação por estar no grânulo em pequenas quantidades

Quer saber mais? Conheça todos os benefícios dos nossos produtos e solicite uma cotação sem compromisso. Será um prazer lhe ajudar a potencializar sua produção de café!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *